Pular para o conteúdo principal

Itália - Parte I - Sonho ou realidade

Em 2016, ainda que intimamente descrente, aceitei o convite para ir à Itália.
Já te ocorreu a vontade de fazer algo, mas lá no fundo não tinha certeza de que fosse capaz?
Ou ainda, já ouviu aquela lenda de que quando você quer alguma coisa, o universo inteiro conspira a teu favor?
A primeira opção era uma certeza, quando Mauro e Tati me convidaram, aceitei mesmo que não acreditasse que seria capaz de cruzar o oceano.
Às vezes, quando nos lançamos ao desconhecido, muitas das coisas que constituem a nossa história e nossas raízes voltam  a nos assombrar, seja para inibir nosso próximo passo, ou fortalecer a desejo de avançar. Criada no interior de Minas Gerais, filha de pais que nunca se falam, uma mãe restauradora e um pai engenheiro da boemia, irmã de pessoas amorosas, algumas delas desconhecidas... pensei mesmo que não iria.
Em 2016
Quando chegou o momento de comprar a passagem, estremeci. Havia a euforia de Ana, companheira de viagem, inquirindo uma decisão imediata, no meio do horário de expediente. Retrai, não avancei.
Mauro e Tati me ajudaram, todo o tempo me ajudaram. Incrível como eles entendem o tempo que tenho para processar e digerir as informações.
Creio que atraímos para nossas vidas pessoas que nos entendem e outras que nos testam. As que nos entendem sabem da força que temos para seguir adiante, mesmo que no caminho tenhamos de passar por alguns espinhos. As que nos testam são como provocadores, nem sempre entendem quem somos ou como somos, mas nos provocam pela força contrária que têm.
Mauro e Tati passaram uma manhã de sábado inteira comigo, ajudando a pesquisar passagem e tentando encaixar-me no melhor preço e na companhia de Ana e Fernanda, para que eu não ficasse com medo de viajar sozinha. Sem eles possivelmente não teria dado este passo e tantos outros que me levaram a outro continente.

Agora sei que é verdade, quando aceitei ir à Itália, todo o universo trabalhou para que eu realmente fosse. Mas que estivesse lá, antes de mais nada, por uma centena de escolhas que fiz sozinha, com a presença de espírito que me cabe como ser humano.

Passei a vida tendo emoções fortes que se pareciam com sonhos adormecidos, como se não fossem a realidade e eu estivesse definitivamente anestesiada por dentro.
Quando cheguei à Europa quis romper a bolha que me isolava do mundo.
Às vezes na tentativa tola de protegermos nossas mais profundas fragilidades criamos camadas e mais camadas de proteção, e quando despertamos já não sabemos mais o que são máscaras de emoções e o que são emoções verdadeiras.
Quando imprimi a passagem, pensei: desta vez será diferente!
Farei 40 anos em breve e na Itália decidi viver 40 emoções verdadeiras.
Agora um mundo de possibilidades está aberto e todas as limitações, que antes pareciam impedir-me de ultrapassar fronteiras, são menores.

Comentários

Postar um comentário

O que eu penso disso...

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me