Pular para o conteúdo principal

Petisbom

- Não acredito!! Levanta Fran, surpresa ao reencontrar o primo. Moram a uma quadra de distância, mas não se viam há um ano.

Se cumprimentam e se abraçam, do mesmo jeito que no interior em que o mundo sempre parece pequeno e rever rostos fraternos é tão comum como o frio nas noites de inverno.

Ele veste avental e segue direto para a chapa, onde borbulha nas cumbucas a feijoada do dia servida no Petisbom, localizada no coração do bairro Bela Vista, na capital paulista.

Chegamos ao local por indicação do porteiro do prédio onde estudamos jornalismo literário. Ao ser questionado sobre onde encontraríamos comida boa e barata, sugeriu o bar e lanchonete à frente do posto.

Indicou com timidez clara, deixando um ritmo desconcertante na voz com molejo nordestino. “Expérimenta, se não gostá, num comi”, resumiu.

De fato, é outro universo. De uma esquina para a outra, mais parece que voltamos no tempo. Ao lado da porta, o bicheiro recebe apostadores, é apertado e barulhento.

Há quatro mesas no ambiente, em uma delas está uma família completa: papai, mamãe, vovó e netinho. Estão à vontade como quem almoça na copa de casa.

- Come de boca fechada menino. Ninguém precisa saber o que é que você está comendo, ensina a avó para criança que inda agora subiu de nível, quando o garçom lhe trouxe a cadeira infantil. Agora o bebê vê todos na mesma linha dos olhos dos adultos.

Os garçons são todos assim, parecem todos primos da gente, correm para todos os lados e servem tudo muito rápido, com notória intimidade com aqueles que são fiéis.

-Seu Jorge, perguntam ao casal com traços portugueses, já voltou de Ribeirão Preto faz tempo?

Para nós, toda atenção! Comida caseira, servida rapidinho, que tem fartura no prato como na casa da avó.

- Come menino, ordena a velha para a criança.

Operários se sentam à mesa conosco, porque o espaço funciona como nos bandejões universitários, se tem cadeira senta. Não precisa conhecer, não precisa ser amigo.

A louça tilinta de lá para cá, vai feijão, vem arroz, quer batata?

O casal de idosos paga a conta. Os operários já foram trabalhar. E nós já vamos embora. Pede a conta e paga.

- Traz chiclete pras meninas ô Zé!

Saímos com doce na mão. Como quem come em casa de família grande e há muito barulho, muita agitação e todos compartilham mais que uma refeição.

Érica Alcântara

Exercício da pós de jornalismo literário, 2015

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q