Pular para o conteúdo principal

Petisbom

- Não acredito!! Levanta Fran, surpresa ao reencontrar o primo. Moram a uma quadra de distância, mas não se viam há um ano.

Se cumprimentam e se abraçam, do mesmo jeito que no interior em que o mundo sempre parece pequeno e rever rostos fraternos é tão comum como o frio nas noites de inverno.

Ele veste avental e segue direto para a chapa, onde borbulha nas cumbucas a feijoada do dia servida no Petisbom, localizada no coração do bairro Bela Vista, na capital paulista.

Chegamos ao local por indicação do porteiro do prédio onde estudamos jornalismo literário. Ao ser questionado sobre onde encontraríamos comida boa e barata, sugeriu o bar e lanchonete à frente do posto.

Indicou com timidez clara, deixando um ritmo desconcertante na voz com molejo nordestino. “Expérimenta, se não gostá, num comi”, resumiu.

De fato, é outro universo. De uma esquina para a outra, mais parece que voltamos no tempo. Ao lado da porta, o bicheiro recebe apostadores, é apertado e barulhento.

Há quatro mesas no ambiente, em uma delas está uma família completa: papai, mamãe, vovó e netinho. Estão à vontade como quem almoça na copa de casa.

- Come de boca fechada menino. Ninguém precisa saber o que é que você está comendo, ensina a avó para criança que inda agora subiu de nível, quando o garçom lhe trouxe a cadeira infantil. Agora o bebê vê todos na mesma linha dos olhos dos adultos.

Os garçons são todos assim, parecem todos primos da gente, correm para todos os lados e servem tudo muito rápido, com notória intimidade com aqueles que são fiéis.

-Seu Jorge, perguntam ao casal com traços portugueses, já voltou de Ribeirão Preto faz tempo?

Para nós, toda atenção! Comida caseira, servida rapidinho, que tem fartura no prato como na casa da avó.

- Come menino, ordena a velha para a criança.

Operários se sentam à mesa conosco, porque o espaço funciona como nos bandejões universitários, se tem cadeira senta. Não precisa conhecer, não precisa ser amigo.

A louça tilinta de lá para cá, vai feijão, vem arroz, quer batata?

O casal de idosos paga a conta. Os operários já foram trabalhar. E nós já vamos embora. Pede a conta e paga.

- Traz chiclete pras meninas ô Zé!

Saímos com doce na mão. Como quem come em casa de família grande e há muito barulho, muita agitação e todos compartilham mais que uma refeição.

Érica Alcântara

Exercício da pós de jornalismo literário, 2015

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Até você vir

 Até você vir  O vento era tudo Que ia, que vinha  Até você vir O tempo passava Eu o sentia, lânguido Agora tudo é brisa O tempo desliza Suaves rompantes Coram-me a face Cartas ridículas Cartas eróticas Seu corpo pálido Minha pele morena Seu corpo nu Minha alma despida Érica Alcântara

Sobre a prova de Deus

Setembro de 2004, sentada na varanda de casa reflito sobre Deus.  Mais ainda, penso nas instituições que garantem representá-Lo. Me calo. O Deus por muitas delas defendido é sempre condicionado, por-Tanto, há sempre um preço a pagar.  E o amor nestes termos perde a pureza original, tem preço com QrCode no final. A dura verdade, a verdade mais difícil de digerir é que no fundo-no-fundo não dá para provar a existência de Deus, porque as provas concretas o reduzem a condições limitadas à nossa própria existência. Reduzir o divino é tirar de Deus sua onipotência, é transformar o Criador na própria criatura. Érica Alcântara

Isabelense é inocentado após 17 meses de prisão

“A esperança de voltar para minha família me manteve vivo”, disse David João Nunes Inácio por Érica Alcântara David João Nunes Inácio fez questão de começar a sua entrevista na quarta-feira, 23/10, dizendo: “Eu sou isabelense, nasci aqui, trabalhava aqui e não quero deixar esta cidade”. Em abril de 2018 ele foi preso, acusado de participar de um crime que, em dezembro de 2015, ceifou a vida da professora Maria Helena de Oliveira Godoi, assassinada na cidade de Redenção/Pará. Após 541 dias preso, o Juiz de Direito do Pará, em auxílio à Vara Criminal de Redenção, Dr. José Torquato Araújo de Alencar absolveu David de todas as acusações em face da falta de provas. “Não guardo revolta, só a vontade de voltar para minha vida”, diz. O Processo No dia 24/04/2018, David foi preso quando saía do trabalho na Secretaria de Serviços Municipais. Ele ficou preso alguns meses em São Paulo, depois foi transferido para o Pará onde ficou sete meses sem ver a esposa, Luciene Cristina