Pular para o conteúdo principal

A barata e eu

 

Quanto mais perto da metade de toda a vida, mais longe de todas as certezas que, sem muitos porquês, fui deixando pelo caminho. Tentando ocupar o vazio indizível de mim fui, ao longo da vida, me preenchendo de tantos outros que mais tarde se tornaram ecos. De mim?
Caminhamos sobre nossos pais para não pisarmos uns nos outros? Mentira. No momento em que nos tornamos pó nos dissipamos sozinhos.

 

Ontem à noite percebi que não tenho mais medo de barata! Deitada em minha cama sinto o som do voo rasante sobre meus ouvidos. Atraída pelo abajur, logo acima da minha cabeça, ela veio.
A luz e ela, como qualquer outro inseto, comumente atraída pela lâmpada branca que irrompe a escuridão da casa inteira.

 

Ela em si mesma era esverdeada. Foi então que me dei conta que não era a barata que me agoniava, mas toda a sujeira que em mim ela sempre representou.
Mas o corpo mutante pede outro conceito e me fez pensar na barata do mato cercada apenas de folhas verdes e terra, exatamente as cores que predominam sobre suas asas repousas na parede branca... e por pensar tudo isso hesitei.

 

Devo mesmo matá-la? Não creio, mas creio! Levanto-me insone para encontrar solução sem morte. Não há. Se a vejo, pressinto e sua presença invade a doçura de meu silêncio/solidão em ecos.
Vou até o armário, escolho veneno ao invés dos chinelos. Pensar em suas tripas expostas manchando a parede me causava mais repulsa que o isolamento temporário para a sala de discos. Afasto, sem movimentos bruscos, os travesseiros abaixo da luz até soltar o “jatosida” chiiiii, pá! Caiu.

 

O veneno tem um cheiro doce, eu surpresa, ela letárgica se contorce no piso atrás da cama. Eu me viro para não ver a morte chegar, sou qualquer coisa que perde o medo das coisas que existem para além das coisas que elas representam.
Mais tarde, recolho seu corpo estátua jogando-o no quintal. Lanço-o como quem tenta uma prece desejando que na decomposição de sua existência o veneno doce abdique da própria existência sobre a terra, exatamente onde em pó ou dó, tudo se dissipa um dia.

 

Érica Alcântara

07/03/2022

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q