Pular para o conteúdo principal

Memórias e despedida

por Érica Alcântara

Há anos decidi que não veria mais os mortos. A primeira vez foi em 2004, quando em Ouro Preto, soube do falecimento de Ivan Marquetti.

Auto-Retrato, 1963, Ivan Marquetti   
Foto de autoria desconhecida

Ivan era artista plástico, daqueles que pintavam o mundo à sua própria maneira e que, pouco tempo antes de morrer, decidiu libertar a própria filha dos muros fechados de um manicômio. E foi aí que nós nos conhecemos, um amigo em comum me recomendou para o trabalho de acompanhante terapêutica.

Confesso que não sabia absolutamente nada sobre esquizofrenia e até hoje tenho dificuldade de pautar como esta experiência me amadureceu. Por aproximadamente um ano Emiliana me ensinou a controlar minhas emoções para ser, quando a realidade desmorona, um porto seguro na escuridão.

Depois que sua filha foi completamente reintegrada na sociedade, Ivan Marquetti morreu. Seu corpo foi velado na Fundação de Arte de Ouro Preto e Emiliana estava na porta quando cheguei.

- Meus pêsames querida, disse eu.  

- A vida é isso Érica, um dia chegamos, um dia partimos. É a natureza, disse Emiliana.

Havia tanta serenidade nela que a realidade caiu aos meus pés com uma centena de lembranças dos momentos em que ela demonstrou ter mais lucidez que eu que vivia na filosofia.

Eu não fui até a beira do caixão, da janela eu disse adeus:

- Adeus Ivan, vá com Deus, disse bem baixinho e fui embora.

A vida é isso: uma chegada, uma partida e no meio de tudo isso temos as memórias que, de algum modo, nos eterniza. Por isso eu te pergunto, que memórias você compartilha?

No caminho de casa me lembrei de tantas vezes que sentamos à mesa para ele contar sobre suas viagens, suas paisagens pintadas com espátulas carregadas de cores vivas e o cheiro forte do cigarro sempre aceso no cavalete.

E a última lembrança que tenho dele é essa, o quadro no meio da sala, tons de vermelho sobressaindo na tela e um adeus com gosto de gratidão. Aprecio a memória viva do que a pessoa era antes de deixar esse mundo.

Na última terça-feira eu corri numa rodovia para registrar imagens de um acidente, quando me aproximei vi no acostamento algo que parecia humano, mas já nos confundia a vista, como se ao partir deste mundo todos nós perdêssemos a forma e a essência.

Então eu parei, me posicionei de tal modo que pudesse apenas alertar as pessoas sobre o ocorrido, mas eu mantive a distância - aquela distância que nos permite respeitar a dor de um pai, a tristeza de uma mãe, o desalento de um filho e a perda irreparável de um amigo.

Ainda hoje eu oro pela família daquele homem que morreu e, ciente de minha imperfeição, peço a Deus a sabedoria de orar também por aqueles que compartilharam imagens tão difíceis... pois abraçados as suas próprias misérias, queimaram com a indiferença uma parte da memória viva de quem ele foi.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q