Pular para o conteúdo principal

Das vidas vividas


Estamos nos afogando em nós mesmos, mergulhados por obrigação em nossos próprios corpos ...

Até então éramos todos o mundo de fora, expandíamos para além das fronteiras do eu experimentando o outro e, a partir do outro, estabelecíamos padrões de referência: os limites pensáveis e intuídos de até onde queremos ir, o que aceitamos como certo e errado.

 

Estamos agora encarcerados, o medo do outro lado da rua, do último abraço.

 

O medo do outro só por ser outro e por não estar desde sempre sob nosso controle. Nós que temos perdido os limites das palavras e distribuído mentiras e maledicências como doces em festas de São Cosme e Damião. Mas eu nunca fui a estas festas e meus bolsos nunca se encheram de doces...

 


Me lembro da queima de Judas, em Ouro Preto, uma réplica do apóstolo é queimada em praça pública e o evento é tido como infantil. Os adultos jogam balas e chocolates para o alto e as crianças se jogam no chão, empurrando violentamente umas contra as outras sobre os paralelepípedos da cidade histórica.

 

Eu não era como as outras, eu não queria me jogar no chão por balas pisoteadas da alegria de queimar Judas.

 

Para mim, o boneco representava uma pessoa e uma pessoa não merece o fogo, nem as pauladas com risos.

 

Para mim, tudo aquilo era atrocidade, ainda que eu não soubesse o que atrocidade significava. E eu sempre saía do ritual anestesiada, com os adultos me cutucando e perguntando por que eu não peguei algumas balas?

 

Talvez uma parte de nós viva sempre encarcerada. Por que apesar do que sentia, eu nunca levantei a voz contra aqueles que queimavam Judas em praça pública, e a sua morte, ainda que simbólica, de certo modo também me deprimia.

 

Há palavras que precisam ser ditas, mas guardamos tão fundo, tão fundo... que elas se perdem de nós mesmos. Estão espalhadas em nosso sangue, subdivididas em nossas células e gravadas em cada átomo rodopiante.

 

E agora, nos deparamos com uma casa que, sem que nós percebêssemos, nunca esteve arrumada.

 

Gavetas reviradas de emoções, prateleiras empoeiradas de lembranças e ainda tem esse pó do passado que nunca aspiramos...

 

A cama dos desejos encobertos nos afronta e não estamos certos se temos maturidade suficiente para sermos, ainda que tardiamente, mais humanos.

E se pudéssemos...

Eu desataria os nós do Judas na praça, cobriria o seu corpo com meu próprio dorso e diria aos algozes cheios de riso: queimem vocês... cada um, sozinhos, as suas próprias culpas.

Érica Alcântara

10/09/2020

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me