Perdi o voo

Alô, mãe, eu perdi o voo. 
O choro de menina explode na voz embargada da mulher que me torno... Transbordo. 
A brabeza comigo mesma e uma vontade absurda de pedir abrigo... Como quem prevê que meu coração vai ficar dias e dias de castigo... 
A hora do encontro adiado. 
O cheiro e o abraço que não se enlaçam. O colo mútuo que não alcançamos. 
E essa sensação de que a distância aumenta... gigante como eco na montanha. 
É a expectativa que chicoteia... . 

Ela diz: "Não fique triste flor nossos caminhos são traçados por Deus. Vou ficar triste, mas não vai faltar oportunidade. Te amamos" . . 

Aqui em São Paulo, saí do aeroporto e fui ajudar a divulgar o evento das mulheres empreendedoras de Arujá. Depois fui ao Campeonato de Judô em Santa Isabel. Não escondi meu coração partido no trabalho, muito pelo contrário, fui praticar o bem pra me sentir bem... . 

Em Minas, mamãe saiu de casa e foi rezar na igreja. É na ação que encontramos conforto e abrigo... Te amo mãe, tô com saudades. 
Érica Alcântara 
16/11/2019

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Batizado e a superação do medo

Resistência

Mulher da terra