Pular para o conteúdo principal

Adeus a Rosa

Histórias de Elo - À Deus
Hoje, quarta-feira, dia 13 de novembro, por volta das 10h tocou o telefone. Olhei no identificador de chamadas – Junim – meu irmão mais novo.
– Oi amor, como você está?, perguntei.
- Não muito bem. Eu sei que nós não tivemos convivência, mas eu precisava te avisar ... a vó morreu. É estranho eu sei, desculpa te falar assim, desse jeito. Papai? Ele está em Pirambu...
O resto da nossa conversa não me lembro bem. Fui para o banheiro aos prantos, liguei pro meu pai e entre meu colo distante e palavras de afeto, o convidei para vir ficar um tempo comigo. Ele me contou da saudade que sente, e de uma tristeza que antes dela partir já havia tomado seu corpo. Depois, com a voz tremula, disse:
- Não se preocupe, não vou ficar sozinho. Também não vou procurar os cacos de mim, dos amigos de mais de 45 anos que acompanharam a minha vida. Hoje vou procurar o povo simples daqui, o povo da terra que mais se assemelha com a comunidade quilombola em que eu nasci, só para me sentir mais perto de onde eu vim.
Algumas pessoas acreditam que é importante ter filhos, dizem que eles são a certeza de que você continua, que teu sangue permanece vivo mesmo depois de você partir. Desliguei o telefone, lavei o rosto e me voltei para o espelho procurando em mim algo que fosse dela. Foi quando me dei conta de que não poderia encontrar algo, já que não a conheci.
Um velho amigo meu não entendeu minha a tristeza, me olhou com certa indiferença e me disse: “Tá chorando por quê? Você nem a conhecia.”, e desatou a falar de qualquer coisa que não fosse a morte de Rosa.
Fiz-me a mesma pergunta no momento que soube de sua partida. E como num filme, quando se passa o flash back lembrei:
Há cerca de dois anos, quando conheci meu pai, sentei-me na frente dele e o entrevistei para saber de minha própria história, foi quando soube que ainda tinha avó, seu nome: Rosa Dias de Araújo, nascida em 19 de setembro de 1914. Ela deu a luz a meu pai em agosto de 1942 numa comunidade quilombola chamada Bananeiras - BA. E foi graças a Rosa que meu pai conheceu minha mãe, escondido de meu avô ela mandava dinheiro para que meu pai não desistisse dos estudos. Já no meio do curso, pelos caminhos de Ouro Preto, meus pais se conheceram, se apaixonaram, se amaram e se casaram.
De tantos encontros que a vida possa ofertar a alguém, fui privilegiada pelos desencontros, quando o amor acabou restou um abismo tão grande que eu jamais conheci Rosa.
Por que choro então? Porque eu acredito que as pessoas não morrem simplesmente, elas vivem para além dos tempos graças as nossas lembranças. E hoje olho no espelho, percorro minhas memórias e não a encontro, mesmo que parte dela continue viva em mim.
Escrevo estas palavras para ter junto dela ao menos esta lembrança: o meu adeus.
Érica Alcântara
13/11/2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me