Pular para o conteúdo principal

Romaria – a fé de transpor desafios



De 01/10 até ontem pela manhã, 11/10, 6.646 romeiros passaram pela via Dutra. O Rancho da Pamonha recebeu o grupo “Somos de Imaculada”, que ofereceram apoio e alimentos aos romeiros


Por Érica Alcântara

Cerca de duas mil pessoas passaram por Santa Isabel rumo a Aparecida pela Rodovia Presidente Dutra, essa contagem é da Vera Lucia Mendonça Santos, proprietária do Rancho da Pamonha, onde um grupo de fiéis montou um ponto de apoio, com direito a capela, missa e bênçãos de párocos também em romaria.
Em uma hora no local a reportagem ouviu uma centena de relatos dos pequenos e grandes milagres do dia a dia. Alguns provocam arrepios e a impressão de que a solidariedade voluntária é capaz de mover e renovar a força nas pernas, tanto quanto, ou mais, que os limites da idade ou das condições físicas.
Gordo ou magro, alto ou baixo, pré-adolescentes, jovens, adultos e idosos, qualquer pessoa que se disponha a olhar com atenção viu gerações inteiras circulando por uma estrada movimentada pela fé, mais que pelo veio econômico de caminhões que insistiram em buzinar, fom-fom, saudando os grupos mais numerosos de romeiros.



O filho de Renata
Quando o filho de Renata nasceu, os médicos identificaram que a criança tinha uma má formação no coração. Foi necessário realizar cirurgias para correção, mas a criança tinha a delicadeza de um recém-nascido e não suportou as manobras médicas, foi declarada morta e por cerca de 20 minutos o coração do bebê parou de bater.
Os pais oraram para Nossa Senhora Aparecida e a criança nasceu de novo, retornando a vida com o choro tão forte como o de um bebê que nunca tivera problemas. Em agradecimento ao milagre, os pais prometeram fazer a romaria todo ano.
Contudo, este ano Renata não conseguiu dispensa do trabalho e seus amigos prometeram fazer algo para que a promessa não fosse quebrada. Em menos de um mês, reuniram diversos grupos dentro de igrejas e paróquias da capital paulista e formaram uma grande equipe de apoio: a “Somos da Imaculada”.
No Rancho da Pamonha encontraram uma mulher de fé, a Vera, capaz de disponibilizar espaço coberto, banheiros e a infraestrutura necessária, como a energia para o freezer, para abrigar romeiros e voluntários. Foram arrecadadas doações em alimentos, roupas e sapatos para serem distribuídos de sábado à quarta-feira, 11/10. Além disso, uma equipe de enfermeiros, fisioterapeutas e massagistas de revezaram para dar o suporte aos pés cansados.
Na despedida, antes de desmontar o ponto de apoio o grupo rezou, depois trouxe uma mulher vestida com o manto da imaculada, para abraçar e abençoar os últimos romeiros que passaram a pé por Santa Isabel

Números da CCR
Este ano três romeiros morreram atropelados na rodovia, em 2018 foram 10 mortes registradas.  “O romeiro acredita que a o acostamento é um local seguro para realizar sua peregrinação, mas esquecem que o acostamento é um local para paradas de emergências de veículos e o risco de um atropelamento é grande. Sem contar que a Dutra tem mais de mil acessos, entradas e saídas de cidades e postos de serviços, as travessias de trevos e acessos, aumentam o risco de atropelamentos. Não temos como proibir a manifestação de fé na rodovia, mas há uma necessidade urgente da sociedade entender os riscos de caminhar pelo acostamento da via Dutra”, explica o gestor de Atendimento da CCR NovaDutra, Virgílio Leocádio.
A Concessionária destaca que a Rota da Luz é um caminho seguro, criado pelo Governo de São Paulo para realizar esse tipo de manifestação. Quem já está na via Dutra pode acessar a Rota da Luz pelo:
KM 97,600 – Pindamonhangaba – Estrada Municipal Pinhão do Borba – o peregrino entra direto na Rota da Luz;
KM 80 – Roseira Posto Paineiras – Acesso a SP 66 - o peregrino entra direto na Rota da Luz;
KM 74 – Aparecida – Acesso ao Santuário – evita a utilização da terceira faixa de rolamento com a mesma distância que seria percorrida na rodovia.
Mais informações podem ser obtidas pelo site www.rotadaluzsp.com.br/






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me