sem titulo

Era um porto
Essa coisa de oposto
inexato
Solto, perdido
Balão cheio, ora vazio.
Era arrepio
sombrio dos temidos
A casa
A seca
das pencas bananas em flor
Era ela
a burla e a fera
que dormia no escuro devorando alegrias
E plantando Deus
no coraçao dos Ateus
Era ele
o homem de todos os homens
pecador, pescador, marceneiro
onipresente
ar
ora fora
Vazio.
Érica Alcântara
10/11/2018

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA