Pular para o conteúdo principal

Um passo de cada vez

André, eu, Kátia e filha, Ana
Caminhei 3,9km esta noite. Eu que vivo na escrivaninha entre uma reportagem e uma poesia. Fui.
Horário marcado: 19h30. Saí do trabalho mais cedo! Workaholic saindo mais cedo? Não. Não dá, num vô.
Me convenci: escreva uma história, seja parte dela, e a cada três meses conte como caminhar transforma uma vida.

Certo! Larguei o computador. Fui em casa procurar malha e um tênis, aquele esquecido no fundo da sapateira.
No auge dos 80 a malha não combina, o casaco pouco se ajusta e a cabeça começa a pensar: Está frio hoje, muito frio pra caminhar.
André e Ana dão o suporte: "está frio, mas não choveu. Vem!".

Passei no mercado, peguei uma fruta e lavei, logo depois da mulher de anel manchado de listras brancas e avermelhadas que sorrindo me disse: "olha a sujeira que a gente acumula no caminho", mostrou as mãos sob a água escorrendo uma espécie de lama das macaxeiras.

Sorrio enquanto esfrego minhas uvas na água corrente e penso no meu próprio peso, como essas sujeiras que a gente acumula no caminho.

Contei que ia "correr" para cinco amigos diferentes: tô indo pro CSI. Claro que teve aquele que pensou ser maratona de série de TV! Ou brincou que só podia ser isso.
Da avenida agitada à rua do interior, os Corredores de Santa Isabel se encontram ali na Rua dos Andradas, número 75. Moram na casa de tijolinhos o casal, Ana e André, com a filha mais nova e recebem o grupo que aos poucos se multiplica.

Quem é novato recebe companhia, até formar parceria. Vai se enturmando devagarim. Eu cheguei entre a persona jornalista e a tímida escritora, dançando entre ego e alter ego, ou qualquer coisa assim.

Aqueles que se aproximam, da novata que sou, começam contando os exemplos de vida que se reúnem ali, tem quem deixou 20 ou 30 quilos no caminhar, mas também têm aqueles que passo a passo constroem novas relações com o outro e consigo mesmo.

Deram-me a grata satisfação de ter a Kátia como madrinha e hoje ela não correu. Trotou alguns trechos comigo e apertou o passo o quanto eu podia.
Kátia tem 70 medalhas de competições que soma nestes últimos tempos.
Falamos de vida. O caminho é de descoberta. Quem é o outro que acompanha e, mesmo sem conhecer-me, deixa a velocidade de lado para respeitar meus limites?

Kátia é enfermeira que trabalha dia sim, dia não, em São Paulo, em um renomado hospital particular. Veio para Santa Isabel há mais de 10 anos, por amor, sim porque o coração dela  parece que sempre vence as distâncias.

A filha de Kátia passa por nós, com seu cabelo cacheado, escuta nos fones de ouvido aquele rock, "aquele", expressão que só Kátia entendeu, mas que deve ser ótimo porque o desejo de correr volta e ela nos ultrapassa sem perder o fôlego. Foco e força.
O medo do novo, passou.
O tempo todo dizia a mim mesma, o mais difícil será só o primeiro passo.
Érica Alcântara
07/08/2018

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me