Pular para o conteúdo principal

Templo Zu Lai - Cotia

Há uma coisa boa de descobrir novos lugares, eles geralmente despertam em nós parte daquilo que já somos, mas possivelmente esquecíamos.


Ontem, 22/08, estive no Templo Zu Lai. Mais que um espaço para oração, o lugar é um passeio pelo silêncio, não completamente, porque de lá ainda se pode ouvir o barulho dos carros, misturado ao som das águas de fontes e o trabalho dos cuidadores do espaço, que carregavam caixas e materiais
de um lado para o outro.

O silêncio é o modo como sentimos o lugar que ocupamos, mas sem precisar de palavras, ou traduções.

Caminhar entre colunas de sustentação, cada qual com um nome gravado em placas de cobre.
Cada entalhe revela uma família, formando juntos uma grande e nova família que sustenta os jardins e salões de prece e agradecimento.

Que seu pedido seja para o bem de todos. Está escrito na parede para aqueles que pretendem acender um incenso.

Doutro lado da porta do salão principal um móvel com duas caixinhas diz: escolha a mensagem do Darma (equilíbrio), em inglês ou chinês. Escolhi de olhos fechados um rolinho amarelo, preso por um elástico que diz:

"As emoções podem ser causa de aflição se acreditarmos que devem ser escondidas e dominadas".

Que sejamos fortes o suficiente para sentir e expressar nossas mais sinceras emoções.

---

Qdo comecei a escrever este texto nem sabia, que das figuras mais representativas do Templo, a de Buda e a de Guan Yin (a Deusa da Misericórdia), esta última  o nome é uma abreviação de Guanshiyin, que significa "Observar os Sons do Mundo".

E pensar que comecei falando de silêncio!!!! Bem, fica a dica, não é preciso ser budista, ou amante desta crença. Recomendo o passeio pelo simples prazer de ouvir teu silêncio, enquanto observava os sons do mundo 😉

Érica Alcântara

23/08/2018



#ericaalcantara #escritora #turistando #templozulai #cotia #escrever #passeio #boatarde #buda #budismo #guanyin #deusadamisericordia #meditacao #cronica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me