Pular para o conteúdo principal

Aprender a comer aos 40

Quarta-feira, dia 08/08/2018, às 8h, fui a uma nutricionista. Não foi fácil chegar até lá, no caminho a gente passa por anos de aconselhamento leigo, pois sempre tem alguém com uma receita infalível para você vencer a balança e ser mais saudável.

Além disso, a rotina deliciosa de doces e guloseimas é muito reconfortante. Entre caminhar 4km e comer um pote de Nutela, aaaa adivinha qual escolhi a vida toda? O caminho mais fácil, também pode ser o mais pesado.

Quando um doce não preenche o vazio, a noite chega e a gente quer mais, começa a sonhar com uma caixa de bombons e/ou qualquer receita maluca que transforme os ingredientes da dispensa numa sobremesa.
Quando cheguei no consultório de Karen Corsini, a secretária Nayane é quem me recebeu. Simpatia e gentileza a definem bem.
Mas internamente um sentimento de deslocamento e estranheza me geraram um certo desconforto, uma espécie de dúvida interna gritava: Não é possível que você não saiba comer!

A verdade é que não sei mesmo.
Tenho 41 anos e o colesterol de uma pessoa que precisa recorrer aos remédios. Trabalho 70% das 24h dos meus dias e nos 30% restantes estão as necessidades básicas como alimentação e sono.

Aliás, quando a nutricionista Karen me questionou qual a qualidade do meu sono, fiquei surpresa. Unhas, cabelos, estresse etc. Não basta questionar o que eu como, mas como me relaciono com a alimentação e com meu corpo. O que eu sinto e penso conta na anamnese. E a lista de exames, uau! Há coisas em nosso sangue que nem mesmo eu sabia!

É difícil admitir que precisa de ajuda, eu sei. Mas o que come, bebe e faz uma mulher da minha idade para não precisar recorrer aos remédios?

Não sei quanto a você, mas penso que se eu passar a resolver tudo com pílulas para o colesterol, ou qualquer coisa semelhante, vou viver uma vida artificial. Dependendo mais da  lista da farmácia para sobreviver, do que da lista colorida da quitanda, que na rotina agitada eu nem frequentava tanto.

Recebi algumas receitas de comidas rápidas, de fórmulas para me auxiliar neste percurso e um cardápio,  além de orientações.

Já se passaram alguns dias e ainda cometo alguns erros, mas sou mais  enérgica na retomada de postura, ao invés de reiniciar a dieta na segunda-feira ou no dia seguinte, recomeço na próxima refeição e me sinto bem.
Emocionalmente nada de euforia ou fixação pela balança. Apenas bem! E dormir, aaaa dormir ficou muito mais gostoso!
Érica Alcântara
17/08/2018

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me