Pular para o conteúdo principal

Abandonado na UPA


Desde dezembro do ano passado, a Unidade de Pronto Atendimento de Santa Isabel é lar de um homem que ninguém da família voltou para buscar 


Faltam 32 dias para Reinaldo Oliveira da Silva completar 40 anos. Na manhã de quinta-feira, 03/05, dia em que completou três meses, oito dias e algumas horas instalado na Unidade de Pronto Atendimento – UPA de Santa Isabel ele confessou: “Eu sei que estou pagando pelo que fiz, ninguém veio me buscar, nem me visitam”, pausou a fala num discurso embargado por lágrimas, uma espécie de choro engasgado pelo abandono, “mas queria uma chance de voltar para minha família e recomeçar uma vida”.
Reinaldo deu entrada na UPA no dia 25/01/2018, conduzido pelo SAMU – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Estava sem acompanhante e no mesmo dia recebeu alta para voltar para casa, mas ninguém apareceu para buscá-lo.
Seu histórico conta que sofreu dois AVCs – Acidente Vascular Cerebral. Desde dezembro de 2017 vive entre a internação na Santa Casa e a UPA, trazido pelo SAMU. “Depois do primeiro AVC eu recuperei minha mobilidade, então voltei a beber. O médico disse que eu era alcóolatra, mas nem lembro o nome dele. Se fiz algum tratamento? Fiz não. Nem sabia que isso era doença”, diz.
Depois do segundo AVC, Reinaldo passou a ter limitações motoras e não consegue realizar atividades diárias, necessitando do uso de fraldas geriátricas e ajuda de terceiros para se limpar. Os técnicos em saúde explicam que a permanência duradoura, na sala de observação da UPA, expõe Reinaldo aos riscos de uma infecção. Além disso, ele ocupa um leito que, por princípio, deve estar disponível para pacientes em atendimento emergencial.
A direção da UPA informa que já notificou as secretarias municipais de Saúde e de Assistência Social para que juntas possam traçar uma ação. Parte da equipe, que em dias de sol leva Reinaldo para um banho de luz, teme os efeitos causados pela falta da fisioterapia. “Ele poderia recuperar parte de seus movimentos, mas aqui não temos este atendimento. Somos uma urgência e emergência, quanto mais tempo sem o tratamento adequado, mais permanente ficam os danos do AVC”, diz uma das enfermeiras.
Reinaldo pede ajuda. Às vezes implora. Diz que nenhum representante das secretarias de Saúde ou da Assistência Social o visitou para, ao menos, demonstrar um interesse em ajudá-lo. Conta que a mãe mora em um asilo e é vítima de Alzheimer. E dos irmãos, um foi preso e a outra não possui condições de recebê-lo. “Não cabe eu andando, muito menos numa cadeira de rodas. Queria mesmo era voltar para o Monte Negro, minha mulher está lá, com os filhos dela, os meus são pequenos e moram com a mãe no Ceará”, conta.
Apesar dos relatos contrários, ele jura que nunca foi violento, mesmo quando bebia. E em dias bons, como na quinta-feira passada, brinca com todos os funcionários que chama pelo nome. Conhece cada trabalhador da UPA, sabe suas rotinas e em dias de muito atendimento, grita e esperneia, com notório ciúme de ser obrigado a dividir a atenção com outros pacientes.
Mas em dias ruins, Reinaldo arranca o urinol e às vezes cospe no chão exigindo que a responsável pela limpeza faça o seu serviço, ou dorme o dia inteiro sem querer falar com ninguém. “Ele pode estar desenvolvendo um quadro depressivo, pois tem a consciência de que foi deixado aqui e já faz muito tempo que ninguém aparece para vê-lo”, conta outra funcionária.
Polícia Civil já foi acionada
O delegado de Santa Isabel, Dr. Carlos Alberto Oliveira, conta que já foi aberto inquérito policial que investiga se houve abandono de material. “Pelo Código Penal, Art. 244, abandonar uma pessoa inapta ou inválida pode incidir em detenção de um a quatro anos e multa. Estamos avaliando se é este o caso”, explica.
Manifestação da Prefeitura
Em nota, a Prefeitura de Santa Isabel diz que as Secretarias de Saúde e Assistência e Promoção Social, além dos demais órgãos envolvidos, estão empenhadas na solução do caso. “Por se tratar de um tema delicado e que pode expor a situação de uma pessoa, tudo está sendo realizado de maneira cautelosa”, finaliza.
por Érica Alcântara
Reportagem publicada na edição 1173 do Jornal Ouvidor
www.jornalouvidor.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me