Mulher da terra

A estrada de terra, dura, difícil, em ondas. No Cafundó de Santa Isabel encontrei um tesouro. Uma Mulher da terra, com suas galochas pretas, caminha passo firme, empurrando o carrinho de mão.
O cachorro, desprovido de raça e de latas, também é preto. Se esconde embaixo do carrinho, logo que o carro pára.
Benedita Camargo, 68, não sabe aonde está a rua que quero, desconhece a Dona Maria que procuro. Fala sempre sorrindo, mesmo que seja sorriso de vento. É linda. É forte. Mulher.
Digo: "Já lhe disseram como vc é bonita?"
Cora a face respondendo: "Sou nada".
"É tudo, tá linda com este chapéu da cor da terra da estrada. Posso fazer um retrato?"
Deixou, mas não sorriu. Olhou firme para o horizonte, nem se mexeu.
Tímida, olha a fotografia meio desconfiada.
Aceitou o abraço de gratidão, alertando: "Tô suja, empoeirada"
"Quem não está nesse calor de meu Deus?", disse.
Ela me disse para seguir em frente, segui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA