Histórias de Elo - O Beijo


Meu primeiro beijo foi com um padre.

Eu devia ter uns nove ou dez anos, e como morávamos perto da matriz, minha mãe fazia questão de nos levar a missa todos os sábados ou domingos. Embora eu achasse o ritual maçante, a teatralidade das igrejas barrocas provoca o imaginário das crianças, então eu passava uma hora cerrando os olhos para ver se os anjos se mexiam, se as imagens do teto ou das paredes piscavam ou se o padre cairia enroscado em sua própria saia.

Um pároco diferente, pelo menos uma vez por mês, ia até a matriz rezar a missa das crianças, chamavam-no de Frei Letro. Dono de oratória rebuscada, ele floreava as palavras e nos dava acesso à oração, como quem estendesse as mãos e fizesse o elo entre Deus e os pequenos.
Ao final de cada cerimônia, Frei Letro reunia as crianças na sala atrás do altar e distribuía doces, lembrancinhas e beijos em todas as crianças que o cercavam.

Um dia ele me convidou para ir até a casa paroquial; como a vida toda fui alucinada por doces e encantada pelo vovô sabe tudo, fui com meu irmão mais novo. Enquanto meu irmão olhava medalhinhas e imagens dispostas sobre a mesa de centro da sala, Frei Letro me chamou no sofá: - Você quer se sentar aqui? Vem aqui, senta no meu colo, vem.
Para uma criança que cresceu com a ausência da figura paterna, um colo sacerdotal não me assustou nem um pouco e ainda me deu a impressão de que, entre todas as crianças que viviam cercando o Frei, eu era a favorita, a melhor.
- Sabia que se tirar o assento de seu nome você fica rica? Você é muito bonita, deixa eu te dar um beijo.

E de repente sua barba branca roçou minha boca com força, talvez a mesma que me fez cerrar os dentes para não deixar que aquela língua molhada e gosmenta invadisse minha boca. Eu fechei os olhos para não ver, depois arregalei quando ele se afastou e segurando minha cabeça com as mãos disse: - Você gostou né! Quer mais um beijo que eu sei, você quer né!
E mais uma vez, a degradação. Eu fechei os olhos, cerrei os dentes e prendi a respiração. O tempo estacionou por alguns segundos, enquanto o medo percorria meu corpo, misturado a uma espécie de asco tanto dele e quanto de mim.

Quando ele se afastou pela segunda vez meu irmão nos olhava, eu o empurrei, enquanto ele enchia minhas mãos de presentes como: medalhas, imagens de santos e cartões postais. Eu não joguei tudo fora tão logo cheguei em casa, eu guardei tudo, e chorei em silêncio sobre cada medalha, cada imagem, cada parte de mim que acreditava na bondade dos homens.
Eu levei quatro anos para contar para minha mãe o que tinha acontecido. Por quatro anos nós discutimos, debatemos e nos estranhamos, por que eu nunca mais quis ir a uma missa.  Por que eu nunca mais acreditei na fé aprisionada em instituições ou livros.

E quando finalmente, impulsionada pela força da adolescência eu revelei o ocorrido, tive de responder a pergunta mais triste que já me fizeram: - O que você fez para provocar o padre assim?
Esta semana a renúncia do Papa virou notícia em todo o mundo, muitos questionam se a fé católica sobreviverá aos novos tempos, se nem mesmo o Papa conseguiu arcar com o cargo de maior relevância para esta instituição. Mas ela já sobreviveu a tantas atrocidades que ela mesma promoveu, que o simples questionamento baseado na renúncia de um idoso foge a dimensão dos que se cercam das beneméritas causas que ela manteve viva.

Não estou aqui questionando a fé de ninguém, respeito todas as crenças, admiro-as.
Disseram-me que Judas traiu Jesus com um beijo, eu também fui traída com um, mas o meu Deus é tão bom que não tem começo, nem fim. Não depende dos homens (ou livros) para criá-lo ou interpretá-lo. A minha fé sobreviveu aos homens.

Texto publicado em janeiro de 2013 no Jornal Ouvidor, edição 909.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA