Pular para o conteúdo principal

Alienação Parental



Hoje completo 40. Sempre tive orgulho de minha idade, cada tempo chegou com sua prosa e poesia e varreu de dentro de casa muita poeira.
Amanhã também é dia dos pais. Pouco ou muito tenho a dizer sobre este dia. Há alguns meses uma pessoa me disse:
- Você não sabe o que é perder um pai porque nunca teve um.
- Você está me magoando, respondi.
- Mas é verdade não é? E quando você se desdobrou para conhecê-lo o que você descobriu foi isso.
Poucas vezes assisti a crueldade de alguém com a consciência de que a tristeza às vezes toma forma e passa a ter endereço, data e horário fixo. 
Cresci numa família de mulheres, com apenas um irmão. Nos Dias dos Pais as escolas inventavam atividades e lembranças ou presentes para chegar em casa e nunca ter alguém para entregar. Os porta-retratos aos poucos foram ficando mais preenchidos de cinza chumbo.
Numa casa conduzida pela alienação parental a mulher se encarrega de matar dia a dia a figura de um pai, então todos os dias são dias de perda.
Mas o cadáver continua na sala, não se decompõe ou desaparece. Quando o nariz cresce e parece com o pai, o jeito de coçar a cabeça ou tocar o violão, tudo lembra o pesar e a ausência.
A alienação parental, mesmo que inconsciente, nasce de uma relação perversa entre duas pessoas que, geralmente, por absoluta falta de maturidade emocional usam crianças como escudo, arco e flecha.
Neste quadro são as crianças que aprendem desde cedo a se lançarem contra um lado, a machucar com duras pontas, a curvasse aos ressentimentos que não lhes pertence e independente da estratégia, são certamente os primeiros feridos.
Não basta a ausência, não basta o abandono, a mãe mata até às memórias. Como um soldado em campo de batalha barra qualquer oportunidade de aproximação, como se o filho fosse propriedade, como se o filho pecasse por amar o pai, mesmo que seja uma ideia do poderia ter sido, mas nunca foi.
Eu gostaria que meu pai tivesse lutado por mim, pelo menos um terço que um amigo meu e tantos outros que sei lutam por seus filhos. Talvez tivéssemos alguma chance de ser mais que dois (des)conhecidos e ter pelo menos uma destas recordações de capa de revista. 
Mas ele não lutou, a distância cresceu com tamanha proporção que se tornou um abismo. 
Com o tempo a gente se acostuma com o vazio, ou pensa que se acostuma e anda por aí com o peito rasgado. E pode ouvir a dor do outro, por que sabe senti-la no espaço vazio que nada preenche.
Hoje aos 40, confesso que a minha maior força nasce de minhas mais profundas delicadezas.
Sei o que é perder um pai, não por que a morte nos tenha separado, a morte é irremediável, nossas escolhas não.
Todos os dias novas escolhas poderiam ter mudado o rumo desta prosa... 
---
A maior declaração de amor que meu pai foi capaz de me dizer até hoje foi:
- Se tivesse que errar tudo de novo para você ser quem você é, eu erraria.


Comentários

  1. Linda mensagem , ótima reflexão sobre amor á vida
    Parabéns saúde paz e felicidades

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O que eu penso disso...

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me