Pular para o conteúdo principal

Denúncia mobiliza comunidade para ajudar família isabelense


Solidariedade melhora a qualidade de vida de um idoso que, apesar do frio, dormia no chão sobre duas mantas

Por volta das 11h da manhã de segunda-feira, 03/07, uma denúncia de violência contra o idoso mudou o destino de uma família. Um filme enviado para o WhatsApp do Jornal Ouvidor contendo imagens de um homem de idade avançada, notoriamente debilitado,mobilizou a equipe de reportagem. O que se vê na filmagem: um idoso no quintal de uma casa, sentado no chão ao lado de um cachorro esquelético.
Acionada, a Polícia Militar chegou ao local em aproximadamente dez minutos. Abordou A.F., 34, que lavava o quintal aonde o idoso fez suas necessidades. Dentro da casa humilde, P.H. 32, dava banho em seu pai adotivo: “Banho com água quente”, ressaltou o policial que atendeu a ocorrência.
Apesar de ser um homem forte, ao ver a viatura da PM na porta de sua casa P. desabou, chorou ao lado do pai enquanto o vestia. “Às vezes eu tenho vontade de ir até a delegacia e me entregar, vou dizer que abandonei meus pais e pedir para que me prendam. Se eu for preso minha esposa vai embora com meu filho para morar na casa da avó, aí o Estado será obrigado a acolher meus pais, por que eu já não tenho condições”, confessou.
P. é trabalhador, todos os envolvidos na ocorrência o reconhecem como funcionário de um mercado da cidade. Com os pais doentes, o filho conta que o pai J.P. é portador de uma série de enfermidades, entre elas um reumatismo crônico que tirou a mobilidade das pernas. A mãe permanece internada na Santa Casa após sofrer diversos AVCs (acidente vascular cerebral). A esposa A. F. deixou o trabalho para cuidar dos sogros e do filho, por isso a única renda fixa de toda a família é de P.
“Só de aluguel pagamos  R$700, fora luz e água que é compartilhada entre os vizinhos que reclamam do nosso gasto, pois precisamos lavar a casa, as cobertas e os tecidos sujos de fezes. Meu sogro arranca a fralda, acaba sujando tudo e precisamos lavar, por isso também gastamos muito com produtos de limpeza”, revela A.
Sobre a mesa uma porção de medicamentos, P. conta que é apenas uma parte do que o pai necessita. “A maioria conseguimos no posto de saúde, o resto temos que comprar”. Como o idoso é obeso a cama comum não o suportou, está quebrada e os pedaços estão amontoados no quintal. “A gente cobre o chão com as mantas, não temos outra cama e o colchão não conseguimos aproveitar por causa da urina e das fezes”, conta.
A família mora ao lado do CRAS - Centro de Referência da Assistência Social e do CCI -  Centro de Convivência do Idoso, A. conta que outras denúncias já levaram os representantes da prefeitura à sua casa. “Eu tenho o hábito de falar alto e eles gritam frequentemente, mas em nossa casa não tem maus-tratos, tem é carência mesmo”, confessa timidamente.
O Conselho do Idoso compareceu ao local representado pelo vice-presidente Paulo Maduro, que já na quinta-feira contou que a família receberá, na próxima segunda-feira, uma cama nova para o idoso, feita especialmente para suportar o peso. “Um empresário se solidarizou com a situação e fará a doação. Além disso, uma entidade se propôs a doar um colchão hospitalar, de alto custo, que poderá ser limpo sem que o idoso tenha que dormir no chão novamente”, contou. Nenhum dos benfeitores quis se identificar, segundo Maduro, seguem a máxima: “o que a mão direita faz, a esquerda não precisa ficar sabendo”.

Ação da polícia

Os soldados da Polícia Militar que atenderam a ocorrência primeiro verificaram a veracidade dos fatos, se havia maus-tratos ou não. Ao identificar a situação real da família foram solidários e ofereceram apoio moral e psicológico. Quando o filho do casal, de dois anos e meio, viu os soldados ficou notoriamente emocionado e pediu para ver como era a viatura por dentro. “Acho que é o momento mais feliz da vida dele”, disse a mãe emocionada.
Além de oferecer apoio, após o expediente os policiais voltaram à residência com algumas doações de alimento e fralda.  - Graças a denúncia anônima a vida desta família mudou e promete mudar ainda mais, diz Maduro destacando a importância de constatar que, em Santa Isabel, ainda existem pessoas dispostas a, voluntariamente, promover o bem.

O Cão

Um cachorro que era da comunidade adotou o pai de Paulo. O cão está sempre ao lado do idoso, mas até ele ficou doente. Dócil e esquelético, ele tem feridas no focinho e nas patas, por isso o cachorro deixa pingos de sangue por onde passa. Sem recursos para cuidar do animal, a família chamou a zoonoses, “nós não temos como cuidar, por isso oferecemos o que podemos”, disseram. Ontem, dia 07/07, a equipe do setor de Zoonoses da Prefeitura de Santa Isabel compareceu na residência e recolheu o animal para tratamento.

Reportagem publicada na edição 1132 do Jornal Ouvidor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me