Réquiem ao Mito

Quando um mito morre
Parte de nós morre junto
Toda a fé que nos abrandava o medo do escuro
O medo do futuro incerto, das perguntas que parecem nascer sem respostas
Quando morre o mito quebram por dentro algumas certezas
E temos que tatear o caminho de volta ao equilíbrio
Às vezes resta apenas a superfície lisa ou enrugada das faces
Em que os sorrisos não curam mais as profundas feridas
E nos lembramos de onde viemos e porque lutamos.
Os maiores monstros germinam em nosso DNA e evoluem conosco, tornando o desafio de vence-los sempre uma nova batalha.
Menos agarrados aos mitos
Mais agarridos de nós mesmos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA