Manhã de Chuva

Despetala meu sorriso que a chuva lá fora nutre meu pranto
Sou saudades de amores imperfeitos, de bocas que nunca se beijam
Vem meu poeta, que o dia raiou e não anoiteci
a hora do crepúsculo me aprisiona a alma entre a luz e a sombra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA