Ao Infante

Vem meu gentil par de versos
cada letra que sai de minha boca sussurra
secretamente
o seu nome
Infante devorador de moinhos dançantes
Deita ao meu lado com tua prosa mais doce
e na tarde fria que se aproxima
aquece meus dedos com teus reversos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA