Pular para o conteúdo principal

Quem tira o lixo do seu banheiro?




Um dia uma amiga me contou que sua mãe não a deixa ter um cachorro em casa. Eu perguntei a ela, qual foi a última vez que você tirou o lixo do banheiro?
O quê? Mas o que isso significa?
É simples, se você não se lembra de tirar o lixo do banheiro, não cuidará da sujeira do seu cachorro – respondi.
Passei os últimos dias trabalhando em casa, sempre detestei o serviço doméstico e com certa distância admirava as mulheres que fazem isso com naturalidade. Em parte, penso que essa espécie de complexo de princesa (termo que acabei de criar) herdei de minha mãe, que sempre fez de tudo, mas nunca foi amante da terminação “do lar”.
Por outro lado, acho que o problema é que ninguém se dá conta do valor deste trabalho até que a sujeira esteja instalada, como nas cidades de todo o país em que o pior salário é de quem limpa ou recolhe o lixo das ruas. E a maior parte dos varredores, coletores de lixo passam a vida invisíveis aos olhos da maioria dos indivíduos.
Nestas minhas férias, em que estou intensamente voltada para a casa, me lembrei de como a simples tarefa de retirar o lixo do banheiro e lavar a louça todos os dias exige um alto grau de desprendimento. Por que não interessa se estamos cansados, se queremos ler um livro, se preferimos comer fora, ou sair para tomar banho de sol – as coisas continuarão esperando que você melhore/mantenha o ambiente que você vive.
Mas as tarefas diárias, aos poucos ficam automatizadas e somos tragados por um turbilhão de pensamentos, desde como zelamos por nosso espaço a como o ser humano se define na forma como ocupa um espaço.
Eu revisitei os lugares ocultos da casa, como revi os labirintos de meu ser. Ainda estou jogando fora todos aqueles papéis que se acumularam com o tempo, como a amargura que não me pertence.
Estou enfrentando as paredes sujas e abrindo as janelas de minh’alma. Estou mesmo com o corpo cansado, lixando o velho, raspando o passado e colorindo o presente.
Interessante, quando ganhamos algo de alguém chamamos a coisa (seja ela o que for) de presente. Para mim, o ser humano tem certa dificuldade de ser feliz por completo, porque somos dotados de memória, então estamos atrelados demais ao passado tentando nos preparar para não sofrer no futuro. Talvez seja por isso que chamamos de presente o tempo de agora, por que ganhamos a oportunidade de viver este momento, como coisa nova por fora, como coisa real por dentro.
Filosofia do lar? Talvez. 
Arrumar a casa é cortejar o melhor de nós mesmos.

Publicado no Jornal Ouvidor em janeiro de 2014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me