Pular para o conteúdo principal

De mim, como uma trilha





É tão fácil reclamar, perder-se na ideia de que a responsabilidade de tudo que nos acontece é sempre do outro.
É tão fácil dar ao outro a responsabilidade de nossos erros.
Difícil é encarar-se todos os dias como resultado constante de nossas escolhas, como produto dos caminhos que percorremos.
Ando mesmo querendo ser difícil, trazer para mim a responsabilidade de tudo que deixei passar por entre os dedos.
Ando mesmo com vontade de seguir devagar, abrir mão do futuro que nos preenche de uma expectativa lacerante. Internamente meu coração é absurdamente espontâneo e viver de improvisos nunca foi meu maior defeito.
A minha solidão que me preenche os vazios d’alma é repleta deste momento e como presente que me foi dado me basta e me alegra.
Creio que em um determinado momento de minha vida compreendi quão pesado é carregar as gavetas do passado repletas de memórias que não são verdadeiramente minhas.
Ai Caeiro, que fizeste de mim parte de teu rebanho.
Vou andar por esse mundo, certa de quem eu sou e de que o meu Deus habita tudo a minha volta e, por ser natural, como as pedras do caminho, os rios que são as artérias de nossas águas, não é fonte do juízo humano, não é cercado de qualquer moral e não é o Senhor de toda a ética.
O meu Deus é tão perfeito que não carece de nada, que não me torna as coisas mais fáceis ou mais difíceis. Somos livres e por não saber o que fazer disso, tendemos a citar regras e abominar todas as demais, reclamar hoje, reclamar amanhã, ruminar a frustração como se fosse algo tão real quanto à própria presença de Deus.
A minha natureza é bravia, tendo a ira com facilidade, há mais fogo em mim do que eu mesma gostaria e para controlar toda essa ação contida, todos os dias devoro minha própria identidade.
E temo o momento em que, assim como Pessoa, quando tentar retirar a máscara ela já esteja demais apegada ao meu rosto e entorpecida esqueça-me como vestir o dominó que não havia arrancado.
Por isso, no papel eu me transformo, e mais que reclamar eu me realizo. O meu mundo é palavra e poucas dessas atingirão os homens tão carentes de regras para conviver entre si, sempre juízes de sua própria miséria.
Eu vejo a dor dos homens, compartilho com eles tantas outras emoções e ei de libertar-me um dia, pelo ventre que me foi dado, terreno fértil de minhas alegrias, onde o que eu sou existe e é tão divino quanto Deus.

publicado no Jornal O Ouvidor - ed. 969 - 12/04/2014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me