Sem título

Meu coração anda sempre aflito
talvez seja a própria aflição
o tambor que dita o ritmo de minha pulsação
feito semente que antes mesmo de fecundar a terra
sonha dentro de si
com as sombras frondosas dos galhos que
talvez
venha um dia a ter

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA