Revolta

O que me revolta não é o apadrinhamento.
Não. Você pode apadrinhar uma pessoa e ajudá-la a desenvolver suas capacidades para alcançar seus objetivos. Portanto, apadrinhar neste sentido, significa zelar para que o outro tenha oportunidade de aprender e de se superar.
Contudo, o apadrinhamento exercido em diversas entidades gera mesmo revolta.
Afinal, aquele que não tem capacidade intelectual para passar em um concurso por seus méritos, e utiliza de seus amigos e padrinhos para que, de modo bastante antiético, falsifiquem e menosprezem a capacidade do outro, é tão desprezível quanto aqueles que cometem o crime do apadrinhamento estúpido.
Enquanto as instituições de ensino não adotarem sistemas de avaliação imparciais, capazes de encontrar O Bom e nele investirem o devido reconhecimento, muitas "Universidades" estarão aos "Montes", mais longe do conhecimento "Claro(s)" da Justiça.
Falsear a verdade para proteger os fracos de conteúdo, é dar continuidade ao ensino precário de intuições cercadas de afilhados que a elas nada acrescenta de novo.
Calar diante desta injustiça é ser comparsa desta mesquinharia, é dar a chance para que os fracos de intelecto se sobressaiam diante dos que se prepararam, e que, de boa fé, acreditaram num processo seletivo justo e ético.
Espero mesmo que todos os participantes deste concurso se levantem em uma só voz, que façam seus recursos, que chamem o Ministério Público e façam barulho suficiente para que, pelo menos, todos saibam que aqueles que tem capacidade não se calam diante das injustiça.
E mais, para que aqueles que são padrinhos e seus afilhados sejam marcados ao menos pela vergonha, a vergonha de não terem sido honestos com aquilo que é, antes de tudo, patrimônio público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA