Pular para o conteúdo principal

Educação



Formei-me professora de Filosofia. Até hoje lembro como minha mãe reagiu quando cheguei em casa e dei a famigerada notícia: “Passei no vestibular!! ”. Até então ela tinha esperança de ter uma filha advogada, ou engenheira, uma mulher que anda sempre de salto alto e pastinha de empresária nas mãos, mas eu que acabara de ler um livro sobre “O Poder do Mito”, encasquetei de fazer filosofia.
A universidade me transformou, me permitiu sentir a euforia e os conflitos próprios de quem vivencia a filosofia. Afinal, me exigiram os filósofos desconstruir todas as minhas crenças, matar todas as ideologias infantis e me deram uma espécie de massa amorfa para refazer a pessoa que eu realmente quero ser.   
Em 2006 participei da minha primeira atribuição de aulas, debaixo de um sol escaldante, por três dias eu, entre mais de uma centena de profissionais, aguardei no pátio de uma escola sentada ora no chão, ora nos bancos semi-quebrados de um auditório, o momento de escolher uma unidade de ensino. Até o final deste processo, eu estava cansada, na verdade, exausta e humilhada.
A primeira vez que entrei numa sala de aula como professora foi impactante, uma sala apertada, com ventilação precária, mantinha 40 estudantes a minha frente, todos suados, e cheios de uma espécie de ideologia comprada, o que um amigo meu chama de revolucionários da internet.
No final do meu primeiro ano de magistério, eu já havia me desconstruído e refeito mais vezes que nos meus quatro anos de universidade. E sou imensamente grata aos meus alunos por me ensinarem tanto quanto eu quis ensinar. Nós levamos artistas de rua para os corredores da escola tanto quanto o orgulho dos estudantes pela unidade de ensino.
E se me perguntassem por que afinal de contas eu deixei a sala de aula, devo destacar que não foi por causa dos estudantes, mas por causa do sistema. Desde a atribuição, as salas-prisões, à progressão continuada que me fez, por mais de uma vez, conhecer semi-analfabetos em turmas do ensino médio.
Na semana passada conversei com um Menino que me fez lembrar tudo de bom que se pode encontrar numa escola. A esperança de um mundo melhor, e é engraçado por que este é o tipo de esperança que não é cercada de euforia, não. É esperança paciente, daquelas que sabe que a educação transforma a longo prazo e necessita de técnica, afeto e coragem.
É claro que fiquei cercada de uma espécie de nostalgia. Admito que guardo comigo todas as lembranças e presentes de meus alunos, alguns decoram as paredes de minha casa, outros as paredes de minha memória.
A filosofia me levou para as salas de aula, me arrancou delas e me fez retornar para tornar público o reconhecimento pelo trabalho do Menino, entre tantos que realmente mudam e moldam o futuro de nosso país.

Quando minha mãe lamentou minha escolha profissional, não imaginou tudo o que a filosofia me daria, admito que nem eu sabia. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me