Adeus ao violão encantado de Pedro, pedreiro e compositor



Na quarta-feira, dia 21, Igaratá perdeu um de seus cidadãos mais queridos. A comunidade católica se reuniu na Igreja Nossa Senhora do Patrocínio para se despedir de Pedro Carlos da Silva, mais conhecido como Sêu Pedro, que faleceu aos 91 anos vítima de falência múltipla dos órgãos. 
Ao lado da esposa de Sêu Pedro, Regina Alves da Silva; de seus oito filhos (Maria, Solange, Dora, Marli, Alzira, Sandra, Sônia e Osmar); dos 13 netos e dos 13 bisnetos, toda a Manada (Grupo de Oração) se reuniu para dar adeus a quem dedicou sua vida a família, a fé e a instrução e proteção dos jovens.
Antes de falecer, já com o corpo cansado, ciente e lúcido de sua crença, Sêu Pedro pediu a família para manter seu sonho vivo: conservar aberto o Presépio Permanente que montou em sua própria casa no Natal de 2013. Dizia ele na ocasião: “Porque todo dia é Natal! Todos os dias devemos comemorar a presença de Jesus em nossas vidas”.
Por isso, seu lar, construído com suas próprias mãos sobre a pedra, continuará sendo referência para a comunidade católica, que desde 1969 conhece o pedreiro cantador de ensinamentos que ajudou a erguer a igreja Matriz da nova Igaratá. 
Sobre a música, Sêu Pedro se empolgava, com violão nas mãos, soltava acordes únicos compostos por ele mesmo em seus momentos de inspiração. Seu tema preferido era a fé que move os homens a serem pessoas de bem, como os santos que adornam a sua igreja.
Quando cantava, os olhos de Sêu Pedro transbordavam de lágrimas e não era choro de dor, era choro de contentamento. O sorriso acompanhava o sal do rosto e Pedro se animava e
m dividir com as pessoas as suas histórias.
Em sua última entrevista ao Jornal O Ouvidor, disse Sêu Pedro: “Para que tristeza? Pega essas coisas que te entristecem e põe no cesto de Jesus, ele sabe o que fazer com isso. Então, segue vivendo, não tem o que temer, se agarra na tua fé e vai”.



Érica Alcântara

Publicado no Jornal O Ouvidor em 22/02/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA