Pular para o conteúdo principal

Histórias de Elo



Amanhã completo 35 anos. A maior parte das mulheres que conheço não gostam de divulgar a própria idade, mas qual o problema com os números? Não são eles que fazem de nós o que somos. Afinal, conheço mulheres com mais de cinquenta anos que agem como crianças birrentas sempre que lhes é negado algo, tanto quanto conheço meninas de sete anos que agem como se todo o mundo lhes pesasse os ombros e cuidam dos irmãos como se tivessem nascidos dela.

A verdade é que pouco importa o número. Minha mãe, durante muito tempo, aumentava a própria idade em pelo menos 10 anos, só para escutar a famosa frase: “Menina como você está conservada”.

Sou uma balzaquiana orgulhosa, não tanto pela personagem de Honoré, mas por que em meus momentos de lucidez sinto que este é o tempo do ser inteiro. Explico. Quando somos jovens uma agitação toma conta de nós, e é como se alma fosse grande demais para um corpo tão pequeno. Agora, é como se alma vestisse o corpo com precisão, e a agitação já não nos entorpece mais. Temos vitalidade, mas ela não é explosiva e fora de proporção, ela nos move sem nos chocar contra tudo a nossa volta. Depois, imagino, o corpo é que vai ficando grande demais, pesado para carregar a alma que ainda tem muito a oferecer.

Amanhã também é o Dia dos Pais. Conheci o meu aos 34 anos. Não que eu não soubesse quem ele era, eu sabia, mas não convivi. A verdade é que a primeira vez em minha vida que sentei para conversar com ele, eu já havia me tornado balzaquiana. É claro que ouvi conselhos de pessoas que amo dizendo: “Chore, grite, brigue se necessário, mas conte a ele tudo que você sofreu com a ausência”.

Na noite anterior da viagem eu não dormi, chorei. Mas quando cheguei ao aeroporto tudo que vi foi um senhor de idade, de cabelos grisalhos e um sorriso desconhecido. Fiquei três dias ao lado dele, nós cantamos, passeamos e eu ouvi histórias de amor, e a descrição de como ele foi um pai maravilhoso para as filhas que ele teve no segundo casamento. Vesti-me de jornalista e o entrevistei questionando como se chamavam seus pais (meus avós), seus irmãos (meus tios) e como ele conheceu minha mãe. Enquanto descobria minha própria história, eu sorria, enquanto meu peito se rasgava em muitos pedaços. Quanto tempo e afeto perdido, quanto amor deixado de lado. Quantas cicatrizes há em minh’alma por voltar para casa na infância com lembranças dos dias dos pais, que eu jamais entregaria.

Eu tinha a certeza que nenhum grito fará o tempo voltar, ou diminuirá as distâncias. Então, hoje, aos pais desejo que desfrutem do afeto que lhes é garantido pela prole, aos filhos que nutram todos os dias as suas raízes, e às balzaquianas que desfrutem por inteiro a harmonia de corpo e alma.

Se querem saber, eu não chorei, nem na hora de ir embora. Eu sorri, porque eu decidi que se aquela fosse a primeira e a última vez que nos víssemos, eu gostaria que ele se lembrasse do melhor que tenho em mim.



Editorial Publicado no Jornal O Ouvidor - edição 882 - de 11/08/2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sexo com compromisso

  Por Érica Alcântara   Apenas para evitar cair na vala comum dos erros provocados pelas generalizações, vou usar a palavra “quase”, mas admito que internamente sinto que ela é dispensável na frase a seguir: Quase... sempre que um homem, desprovido de argumentos, quer destruir (ou rebaixar) a imagem de uma mulher ele joga ela em alguma cama (na dele ou de outros). E digo, sem medo de errar, que o problema é antigo, não começou hoje. Explico: Na Bíblia a mulher verdadeiramente boa é a virgem, que é capaz de dar à luz sem ter sentido prazer algum. Mas a mulher que peregrina ao lado de Cristo, que o apoia na jornada de evangelização e, possivelmente se torna o 13º discípulo, essa mulher é marcada na história como a prostituta. E na balança de nossa moralidade, ainda tão obsoleta, as putas não merecem respeito. Por isso, existem tantos filhos da puta. E o jeito certo de começar uma briga é jogar a mãe (quase virginal) na cama de muitos homens. Então, quase que tradicionalmente, q

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity

Lancheira

 por Érica Alcântara 19/07/2021   Eu nunca gostei de banana na lancheira. Lembro de chegar a hora da merenda em que abria a lancheira como se fosse uma caixa preta, esperando cuidadosamente que o cheiro não escapasse. Mas o cheiro sempre escapava. Você não pode conter o ar denunciando para toda a turma o que você tem para comer... argh... E a fruta sempre me parecia amarelecida demais e esmigalhada de tanto se debater entre o suco e outro item qualquer. Tenho certeza, o que mais me incomodava era o cheiro. A banana parecia estar lá dentro desde a era dos dinossauros, pisoteada por todo tipo de tiranos e rexs. E comer aquilo era como comer o que havia sobrado e ninguém queria, nem eu. Levei anos para fazer as pazes com a banana!! Eu sonhava com aqueles pãezinhos de leite, as bisnaguinhas “seven boys”! Aquilo para mim era o paraíso das guloseimas. Minha mãe sempre preparava sanduíches com estas bisnaguinhas quando a família inteira viajava do Espírito Santo para Minas. Me