Estranho como é fria a tela do computador
mais que a folha de papel
a força da letra escrita
digerida, mastigada
transformada em sensações
que passam pelas mãos dos carteiros
Érica Alcântara
04.06.2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA