Pular para o conteúdo principal

O fim de um mito

Lá pelas bandas do Bonsucesso, havia a tradição de se tirar do solo sagrado a cura dos males do corpo e da mente. Há três anos testemunhei pessoas ansiosas por tocar o solo, depois lança-lo para longe para sarar suas dores.
Este ano, para meu espanto... testemunhei com tristeza o mito desmoronando.
Pouco espaço resta para revirar o solo em volta da capela toda pintada de azul.
A primeira cena, a mais bizarra, era a da chegada. Sobre a terra sagrada, uma fila de motos e carros estacionados, brinquedos infláveis, que faziam o som das crianças se divertindo ensurdecer a prece dos que oravam na capela, e para completar banheiros químicos.
Mais a frente, encostados na capela, um casal de namorados se esfregavam um no outro e uma menina com necessidades especiais comia seu churrasquinho sentada na porta da frente do templo.
Ao lado da cruz via-se de cima barracas emprovisadas com lonas, salpicadas em volta com a sujeira da festança, e um cheiro de bebida destilada entorpecia o ar. Eu andei por entre as gentes, e um sentimento de perda ia tomando conta de mim.
Dos que reviravam o solo, já capinado pelo poder público (muito atuante nestas atividades) alguns sequer sabiam o que fazer com a terra, outros utilizavam sacolas plásticas para sequer tocar a terra, suja? Para onde foi o sagrado? Quando é que se declara a morte de uma tradição? O fim de um mito?
Em três anos tanta coisa mudou. Que será dos próximos três anos?
Claro que não posso dizer como as coisas devem ser, nem nunca fui apegada as tradições, muito menos as religiosas. Mas a fé que antes havia me comovia mais que a festa, só pela festa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Até você vir

 Até você vir  O vento era tudo Que ia, que vinha  Até você vir O tempo passava Eu o sentia, lânguido Agora tudo é brisa O tempo desliza Suaves rompantes Coram-me a face Cartas ridículas Cartas eróticas Seu corpo pálido Minha pele morena Seu corpo nu Minha alma despida Érica Alcântara

Isabelense é inocentado após 17 meses de prisão

“A esperança de voltar para minha família me manteve vivo”, disse David João Nunes Inácio por Érica Alcântara David João Nunes Inácio fez questão de começar a sua entrevista na quarta-feira, 23/10, dizendo: “Eu sou isabelense, nasci aqui, trabalhava aqui e não quero deixar esta cidade”. Em abril de 2018 ele foi preso, acusado de participar de um crime que, em dezembro de 2015, ceifou a vida da professora Maria Helena de Oliveira Godoi, assassinada na cidade de Redenção/Pará. Após 541 dias preso, o Juiz de Direito do Pará, em auxílio à Vara Criminal de Redenção, Dr. José Torquato Araújo de Alencar absolveu David de todas as acusações em face da falta de provas. “Não guardo revolta, só a vontade de voltar para minha vida”, diz. O Processo No dia 24/04/2018, David foi preso quando saía do trabalho na Secretaria de Serviços Municipais. Ele ficou preso alguns meses em São Paulo, depois foi transferido para o Pará onde ficou sete meses sem ver a esposa, Luciene Cristina

Sobre a prova de Deus

Setembro de 2004, sentada na varanda de casa reflito sobre Deus.  Mais ainda, penso nas instituições que garantem representá-Lo. Me calo. O Deus por muitas delas defendido é sempre condicionado, por-Tanto, há sempre um preço a pagar.  E o amor nestes termos perde a pureza original, tem preço com QrCode no final. A dura verdade, a verdade mais difícil de digerir é que no fundo-no-fundo não dá para provar a existência de Deus, porque as provas concretas o reduzem a condições limitadas à nossa própria existência. Reduzir o divino é tirar de Deus sua onipotência, é transformar o Criador na própria criatura. Érica Alcântara