Alma lavada com vento


De repente o salto. Cair no mundo com a conciência de ser uma escolha.
A força do vento, o ar preenchendo todo o corpo, a vida correndo na veia.
Os problemas todos ficaram no avião, uns minutos da mais pura existência.
Difícil definir em palavras as sensações.
Difícil definir como é viver com tamanha intensidade.
Tocar o céu com as próprias mãos, se alimentar de vento.
Reconstruir novas perspectivas, superar o medo de ser... existir.
Por que enquanto se cai tudo passa a ser só um ponto de vista.
Os problemas são menores que o mundo desperto dentro de si.
Pousar para a vida de sempre, com a certeza de ser outra, mais completa, mais serena, mais intensa...
Saltar de para-quedas é ter a alma lavada com vento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA