Parentesco

E o tempo passou, passou ... e a gente?
A gente foi se perdendo no caminho, se desencontrando nas fotos que foram ficando, aos poucos, mais amarelecidas.
Ou preto e branco, numa pintura/memória que foge do meu alcance.
Depois o cheiro. Que cheiro? Não sei.
Num sei o aroma do seu cangote, nem o som do pulso de pai.
E a vida deu voltas, você deixou a névoa da catarata nas cirurgias, que, eu mesma, só soube depois que o sol apareceu.
E as suas paisagens continuam outras, as nossas palavras pautadas pelo universo seco da virtual.idade...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Preta sim, mulata jamais

Um passo de cada vez

Abandonado na UPA