Pular para o conteúdo principal

A identidade dos invisíveis


No domingo, 16/05, chegaram a Igaratá três andarilhos, Isabel Cristina dos Santos, 48 anos, Osmar Damião Reis, 40 anos, e Paulo Fernando Costa Souza, 60 anos. Eles ficaram cinco dias acampados na entrada da cidade, na saída para a Rodovia Joaquim Simão, pouco antes da entrada do bairro Jardim Rosa Helena. No local em que se alojaram, improvisaram um fogão à lenha para preparar alimentos e, lá mesmo, no entorno do acampamento, faziam suas necessidades.
Junto deles, uma carroça pequena, dois cães de guarda e trapos e panelas que conseguem carregar. Vinham de Minas Gerais, percorreram centenas de quilômetros a pé, em busca, segundo Isabel, de trabalho. “A gente queria trabalhar na colheita de café, mas chegamos tarde demais”, diz.
Contam que chegaram à cidade trazidos por uma das equipes de atendimento da Rodovia Dom Pedro, “eles não queriam que acampássemos a beira da estrada”, diz Osmar.
Na Secretaria de Assistência Social de Igaratá conseguiram uma cesta básica e foram encaminhados à Casa de Assis. Dizem que estão tomando banho e fazendo refeições por lá, mas não se hospedaram, apesar do frio imenso da noite, porque a casa não recebe mulheres. “Eu não vou deixar minha nega sozinha no relento”, conta Osmar, que interrompe esporadicamente seu discurso para beber cachaça, às 11h da manhã.
Isabel é exemplo de gentileza, e distribui “bom dia” para todo mundo, dá exemplo de boa educação e sempre se refere com carinho e protege a reportagem dos ataques de seu cão de guarda.
Eles planejavam seguir para São Paulo, mas Osmar dizia que não tinham intenção de partir, “o tempo está ruim e não escolhemos o caminho, além disso, o véio (como chama Paulo) não aguenta andar dois quilômetros sem parar”, conta. Ele revela que ambos fizeram escolhas erradas, que tinham suas famílias, casas, bens e profissão, mas que a droga e a bebida lhes tomou tudo. “Fui mexer com tráfico e a vida desmoronou”, diz.
Já na noite de quinta-feira, após a entrevista, os três não se encontravam mais no acampamento. Alguns vestígios sobraram e a frase de Isabel na despedida da equipe de reportagem ainda ecoa, como num lamento: “depois que a gente erra e perde tudo, a sociedade não nos aceita de volta”.

Comentários

Postar um comentário

O que eu penso disso...

Postagens mais visitadas deste blog

Até você vir

 Até você vir  O vento era tudo Que ia, que vinha  Até você vir O tempo passava Eu o sentia, lânguido Agora tudo é brisa O tempo desliza Suaves rompantes Coram-me a face Cartas ridículas Cartas eróticas Seu corpo pálido Minha pele morena Seu corpo nu Minha alma despida Érica Alcântara

Isabelense é inocentado após 17 meses de prisão

“A esperança de voltar para minha família me manteve vivo”, disse David João Nunes Inácio por Érica Alcântara David João Nunes Inácio fez questão de começar a sua entrevista na quarta-feira, 23/10, dizendo: “Eu sou isabelense, nasci aqui, trabalhava aqui e não quero deixar esta cidade”. Em abril de 2018 ele foi preso, acusado de participar de um crime que, em dezembro de 2015, ceifou a vida da professora Maria Helena de Oliveira Godoi, assassinada na cidade de Redenção/Pará. Após 541 dias preso, o Juiz de Direito do Pará, em auxílio à Vara Criminal de Redenção, Dr. José Torquato Araújo de Alencar absolveu David de todas as acusações em face da falta de provas. “Não guardo revolta, só a vontade de voltar para minha vida”, diz. O Processo No dia 24/04/2018, David foi preso quando saía do trabalho na Secretaria de Serviços Municipais. Ele ficou preso alguns meses em São Paulo, depois foi transferido para o Pará onde ficou sete meses sem ver a esposa, Luciene Cristina

O peixe morre pela boca e nós também

Por Érica Alcântara Agora que a pandemia amenizou estamos mais à mostra, presencialmente à mostra. E que mensagem estamos transmitindo? Que código silenciosa meu corpo passa quando, sem nenhuma palavra, caminho na direção de um estranho. A porta da escola voltou a formar fila de espera para entrar. Por aqui os uniformes são vermelhos da cor do tomate, beeeem vermelhinho e, observando melhor, a maioria das crianças tem mesmo um formato de tomate do tipo caqui. Bem redondinho. Quando eu era criança ser gordinho era sinônimo de saúde, é como se a criança gordinha simbolizasse uma casa repleta de fartura. As crianças magras eram obrigadas a tomar tônicos e aqueles elixires “de crescimento”, tudo para abrir o apetite que, para muitos depois de abrir, nunca mais fecharam... Mas aí, chega um dia em que ser gordinho deixa de ser símbolo da saúde e passa a ser motivo de escárnio, chacota para os estranhos e, muitas vezes, para os parentes mais inconvenientes. Reportagem R7: https://bity